Foto: Internet
mortes-coronavirus
Corona já matou mais de dois mil em Roraima
COVID-19

RR é o 3º em mortes

Dena recebeu R$ 5.1 bilhões para combater o Corona, mas vai “torrar” só no ano que vem, de eleição
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Roraima figura como o terceiro estado da região Norte com a maior taxa de mortalidade pelo Corona.  Por outro lado, Roraima aparece como o estado que mais recebeu recursos do governo Federal para combater o mortal vírus: R$ 5.1 bilhões.

“Pra onde foi esta montanha de dinheiro? O HGR cai aos pedaços e falta tudo. Não tem médicos, leitos e medicamentos. Todo dia morre gente lá. Denarium tá guardando este dinheiro para o ano que vem, de eleição?”, questionou a aposentada Maria das Dores, de 74 anos, moradora do Pintolândia.

Os dados assustadores são do Ministério da Saúde. A média de mortes, por exemplo, é de 331,2 para cada 100 mil habitantes. Roraima só está atrás de Rondônia (368,4) e Amazonas (331,8).

A Sesau informa que já são 2.016 mortes e 126.300 casos do Corona. Roraima é o oitavo do país com a maior taxa de óbitos. Em julho deste ano, ao invés de melhorar a Saúde, o governador preferiu fazer convênios com empresas funerárias.

“Este fuleiro prefere enterrar que tratar o povo. E ainda quer ser reeleito. É ruim, heim!”, retrucou dona Maria, mordida da vida com o Dena.

O número de mortes está muito além da estimativa do governo, feita em junho do ano passado. À época, Denarium disse que Roraima registraria apenas 300 mortes pela doença até o fim da pandemia.

A “piada” do governador ocorreu após a compra superfaturada de 30 respiradores, em março de 2020, durante a primeira onda da pandemia.

A Sesau pagou antecipadamente R$ 6,4 milhões para a empresa CMOS Drake, mas os aparelhos nunca foram entregues. Na maior cara de pau, Denarium disse que não sabia de nada. A Polícia Federal investiga o desvio milionário.

 

HGR vira “matadouro”

Familiares de pacientes com Corona precisaram ir até Manaus (AM) para comprar medicamentos, pois não tinha no HGR, mesmo Denarium tendo recebido R$ 5.1 bilhões de Bolsonaro.

O roraimense desembolsou cerca de R$ 80 por ampola. Em um dos casos, o paciente precisava de 80 delas para o tratamento. A Sesau prometeu devolver o dinheiro gasto, mas ficou só nas promessas.

Em julho deste ano, outra bronca: a falta de leitos no matadouro que virou o HGR. Até a OAB enviou ao governo uma recomendação para ampliar os leitos da UTI. O MP de Roraima também caiu de pau.

Em seguida, no mês de agosto, para piorar a situação, Denarium mandou fechar outros 24 leitos, justificando que havia reduzido o número de casos graves. E centenas saíram do HGR enroladas em lonas pretas.

Veja também:

Publicidade